Parintins inicia atendimento à noite nas unidades básicas de saúde

“É uma grande conquista para o sistema de saúde do município. Agora, com atendimento na parte da noite, daremos oportunidade a quem se ocupa durante o dia todo de cuidar da saúde e melhorar sua qualidade de vida em nossos postos no período da noite”, enfa

Parintins inicia atendimento à noite nas unidades básicas de saúde Foto: Márcio Costa Notícia do dia 05/11/2018

Com o objetivo de ampliar os atendimentos à população de Parintins, a Prefeitura Municipal inicia nesta segunda-feira (05) as atividades noturnas nas unidades básicas de saúde do município. De segunda a sexta-feira, de 17 às 21h, duas unidades farão os atendimentos seguindo a uma escala diária. De acordo com a Secretaria de Saúde, a programação será a seguinte:

 

Segunda-feira:

Doutor Toda - Francesa

Aldrin Verçosa - Itaúna 2

 

Terça-feira

Darlinda Ribeiro - Palmares

Francisco Galianni - Itaúna 2

 

Quarta-feira

Waldir Viana - São Benedito

Paulo Pereira - Santa Rita

 

Quinta-feira

Tia Leó - Djard Vieira

Mãe Palmira - Paulo Correa

 

Sexta-Feira

Dr Tussolini - Bairro União

Dom Arcângelo - São Vicente

 

O prefeito Bi Garcia destaca que o atendimento noturno nas unidades de saúde foi um dos mais importantes marcos de suas gestões e a sua volta é uma grande conquista para Parintins. “É uma grande conquista para o sistema de saúde do município. Agora, com atendimento na parte da noite, daremos oportunidade a quem se ocupa durante o dia todo de cuidar da saúde e melhorar sua qualidade de vida em nossos postos no período da noite”, enfatiza o prefeito.

 

De acordo com o secretário de Saúde, Clerton Rodrigues, é com alegria que a gestão Municipal passa a oferecer atendimento que beneficiará especialmente cidadãos que trabalham ou estudam durante o dia. "Foi uma proposta do prefeito Bi Garcia em campanha e que agora com a reorganização das unidades de saúde podemos implementar. A cada dia serão duas unidades nos bairros que promoverão essa cobertura em saúde e que acarretará ainda em menor demanda nos hospitais", destacou Clerton.