Dia de Campo apresenta alternativas para alimentação do gado em período seco

O prefeito em exercício, Tony Medeiros participou do ato de abertura, ocasião em que reforçou o compromisso da administração do prefeito Bi Garcia de apoiar iniciativas para o fortalecimento do setor primário.

Dia de Campo apresenta alternativas para alimentação do gado em período seco Fotos: Yuri Pinheiro/Peta Cid/Júnior Preto Notícia do dia 27/10/2017

 

Práticas, inovações e tecnologias que se apresentam como alternativas para a alimentação do gado em períodos secos na região de Parintins estão entre as principais abordagens do Dia de Campo “Produção de Volumosos em Sistemas Integrados na Pecuária”, que foi aberto na manhã desta sexta-feira, 27, no Parque de Exposições Agropecuárias Luiz Lourenço de Souza. O evento que é organizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/AM) e Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), no âmbito do Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas na Amazônia (PRADAM) e Embrapa Amazônia Ocidental, conta com o apoio da Prefeitura de Parintins, por meio da Secretaria de Pecuária, Agricultura e Abastecimento (Sempa).

O prefeito em exercício, Tony Medeiros, participou do ato de abertura, ocasião em que reforçou o compromisso da administração do prefeito Bi Garcia de apoiar iniciativas para o fortalecimento do setor primário que necessita de investimentos. “Precisamos trabalhar esse novo momento, investir em tecnologias, em melhoramento genético até porque quem não investir no agronegócio está na contramão da economia mundial”, afirmou.

Ele lembrou que Parintins já teve um rebanho bovino e bubalino, em torno de 160 mil cabeças, e hoje não passa de 60 mil. De acordo com Tony, ninguém gera mais emprego e renda no município que o setor primário. “A Prefeitura emprega quatro mil pessoas e o setor primário emprega 35 mil. Parintins já deu a prova de desenvolvimento do setor com o ciclo econômico da juta depois de 1930, numa época que tudo era mais difícil, mas que deu certo. É esse o caminho, com a Embrapa dando as mãos para a Prefeitura de Parintins vejo um novo horizonte, um novo momento para o setor primário”, acrescentou.  

O coordenador da Embrapa em Parintins, Jeferson Macedo disse que a partir do ano que vem a parceria com a Prefeitura/Sempa e demais instituições será intensificado. “O poder público municipal tem um papel fantástico por ser o aglutinador de todas as instituições em prol de um programa para o fortalecimento do setor primário de Parintins”, afirmou. Ele acrescentou que a Embrapa não atua sozinha no evento, mas com o apoio de vários parceiros como a Universidade Federal do Amazonas, por meio do curso de Zootecnia, o Instituto Federal do Amazonas, por meio do curso de Zootecnia e Meio Ambiente, Senar e Prefeitura.  

O secretário de Pecuária, Agricultura e Abastecimento, Edy Albuquerque disse que o evento de hoje permite que o produtor possa ter uma visão mais ampla do que é o setor produtivo, tanto da pecuária, agricultura, piscicultura como também a integração com o ambiente conhecendo as tecnologias. È necessário que o produtor esteja preparado para os períodos de baixa oferta de alimentação para os animais nas pastagens.  “Nosso grande desafio da pecuária nessa região é esse, não adianta trazer animais geneticamente modificarmos se nós continuarmos com as mesmas técnicas de cultivo”, avaliou. 

Edy ressalta o papel da Prefeitura em informar e difundir tecnologias para os produtores. “O papel da Prefeitura de Parintins é fundamental por conta da estrutura que tem. O prefeito Bi Garcia e o vice Tony Medeiros tem essa visão e preocupação de  investir na pecuária, na agricultura,  na preservação do meio ambiente e na  integração entre pecuária, agricultura e floresta de forma que seja sustentável, mas acima de tudo econômica”, frisou.

 O subsecretário Lucio Kimura, coordenador de Pecuária da Sempa, também ressaltou a iniciativa do evento, o apoio da Prefeitura aos pecuaristas. “Isso mostra o interesse do prefeito Bi Garcia em desenvolver o setor primário e agricultura de Parintins”.

Dia de Campo

O Dia de Campo divulga as tecnologias resultantes das pesquisas desenvolvidas pela Embrapa e parceiros. No caso de Parintins, são apresentadas as práticas, tecnologias, inovações para produção de alimentos na estação seca. De acordo com Jeferson Macedo, pesquisador da Embrapa, é que se chama de volumosos, silagem, fenação,  integração dos sistema lavoura pecuária, em que o produtor numa mesma área pode  produzir alimento no caso de silagem a partir do milho e ter a pastagem e o alimento para os animais no período seco.

A região de Parintins tem um período de estiagem mais amplo que outras partes do estado do Amazonas, podendo chegar a ter até seis meses de seca. Por isso, de acordo com Macedo é preciso aproveitar a época das chuvas para produzir forrageiras que possam ser armazenadas, seja em forma de silagem ou de feno, para suplementar a nutrição animal nos momentos em que há pouca oferta de forragem no campo.

No Dia de Campo também são apresentados resultados de pesquisas sobre o desempenho de diferentes tipos de forrageiras na região. Jeferson Macedo relata que já foram testadas 12 diferentes tipo de gramíneas, com avaliação tanto do desempenho no campo destas espécies como na qualidade nutricional delas quando utilizadas como volumoso na alimentação. Nas áreas experimentais conduzidas pelo Núcleo de Apoio á Pesquisa e Transferência de Tecnologia da Embrapa Amazônia Ocidental em Parintins também foram testadas quatro novas cultivares de capim-elefante. Segundo Macedo, no evento também é abordada a importância da adoção de sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta, como uma das formas sustentáveis de produção agropecuária no estado do Amazonas.