Léa Costa: o amor pela música está na veia

Léa Costa: o amor pela música está na veia Foto: Reprodução/Facebook Notícia do dia 20/03/2017

Vanderléa Maria de Oliveira Costa, a Léa Costa, aos 51 anos, traz a música em suas veias. Parintinense, Léa nasceu em uma família cabocla, seu pai tocava violão, cavaquinho e violino e Léa tinha uma ligação muito forte com ele. Com essa referência desde pequena a cabocla participou de vários festivais de canção em Parintins (FECAP) entre outros.

       

Léa canta desde menina, tendo formação musical violão básico. Começou a cantar no coral, na Catedral de Nossa Senhora do Carmo e foi descoberta por David Assayag, hoje levantador de toadas do Boi Caprichoso, que a levou para cantar nas noites. A partir de então, Léa não saiu mais do meio musical, o qual exerce até hoje com muito gosto. Da família, é a única mulher que toca e canta. Seus irmãos também tocam. 

 

Foi contratada pela banda Raízes da Terra e fazia participação com a Banda a Coca-Cola no Palmeiras, festa que toda a juventude da época participava.     

                   

No ano de 1986 foi vencedora do FECAP em coral com a música Canto Karowara de Neto Ferreira em coral e em terceiro lugar com a música Mistério Amazônico de Fred Góes. 

            

Casada com Fred Góes, é mãe de Fredinho Góes que também é músico desde os dez anos e Violeta Góes que está encerrando Agronomia na UFAM e fazendo Direito na UNINORTE.    

     

Sempre está envolvida em projetos culturais em Manaus. O último foi em 2014 no Festival Amazonas de Música, além do projeto Segunda no Palco da Secretaria de Cultura do Estado.  Em Parintins Léa também mostra seu talento em programações culturais, apresentando em seus shows em múltiplos estilos, a qual dar destaque para as músicas regionais, MPB e música latina-americana.  

 

 “A música me levou aonde nunca pensei cantar. Meu pai colocou-a nas minhas veias e é algo que você não escolhe, ela nasce com você”.